Início
Terça, 28 Março 2017
PESQUISAR
  CINEMA
  TEATRO
  MUSEUS
  LIVROS
  DISCOS
  OUTROS
  CONCERTOS
  TELEVISÃO
  TURISMO
  OUTROS
Livros
Um olhar sobre "O Mar em Casablanca" de Francisco José Viegas

Trata- de um livro em que enredo e personagens são quase autónomos e deixam de o ser quando o autor os agarra, os mistura e com eles faz a história.
Mas deixa-os manter as suas histórias separadas. E é este embrulho que tentamos desembrulhar com o desenrolar da leitura.
O mistério, a dúvida, o atropelar de situações faz-nos querer chegar a qualquer sítio que nos revele a solução.

Mas o autor passeia o seu inspector Jaime Ramos, que é da Judiciária do Porto, por todo o romance levando-o a relembrar um passado onde se enredam os mortos e os vivos que ora investiga.

Francisco José Viegas, interrogado sobre esta personagem que lhe é tão querida, admitiu orgulhoso que o seu detective escapa muitas vezes das suas mãos, como aconteceu um dia em Leiria, também durante uma apresentação, Uma pessoa perguntou onde ele morava e eu disse que no Porto, em tal rua, no primeiro andar. Uma senhora na assistência interrompeu e disse que era no segundo; depois perguntaram qual o carro que ele tinha, a mesma senhora disse que era um Volkswagen. Ele tem realmente uma vida própria.
Em "O Mar em Casablanca", Jaime Ramos parece estar domado e actuar de acordo com a vontade de quem o criou, mas de quando em vez resolve desaparecer deixando os seus colegas completamente desorientados. 

Jaime Ramos tem dois ajudantes fabulosos de originais e eficientes. São eles Isaltino de Jesus e José Corsário, e com eles tenta unir pontas soltas de dois crimes ocorridos em sítios diferentes no Norte do país e as pontas acabam por surgir na Argentina, na África da guerra colonial, mais concretamente Guiné e Angola, e Marrocos, melhor Casablanca, onde há mar mas não se vê! 
Mas a  própria vida de Jaime Ramos, uma que já foi, vai surgindo neste unir de pontas soltas que começam a não o ser.
O curioso é que todo o romance é atravessado por agentes secretos que tornam ainda mais tenebrosa e complicada uma investigação onde ninguém é quem realmente parece ser.
Mas Jaime Ramos é um investigador de excelência, um homem que não deixa pontas soltas mesmo que interfiram na sua vida. E faz-nos chegar a solução para o enigma de forma não simples nem linear.

Por outro lado, ao passear-nos, no decorrer do romance pelo Passeio Alegre do Porto, pelo Palace de Vidago no Douro, pela Argentina, por África, e por Casablanca, Francisco José Viegas coloca-nos perante a diaspora portuguesa, mostrando-nos quão interventivos somos e quão deslocados nos sentimos quando fora deste bocadito que por acaso está plantado à... beira rio!

"O Mar em Casablanca"  é um romance não policial, embora possa parecê-lo de quando em vez, onde Francisco José Viegas mais uma vez evidencia a sua capacidade de escrita simples em meandros complicados de uma história que mistura passado , presente e um futuro que ninguém quer conhecer.
"O Mar em Casablanca" é uma leitura que aconselhamos porque divertida e com ...suspense.




Zita Ferreira Braga



< Voltar

Registo

Actualidade
A nova introspecção de Jorge Molder

Foi na tarde de ontem, 05 de Dezembro, inaugurada “A Escala de Mohs”, a mais recente exposição fotográfica do artista plástico português.
Nelson Mandela morreu aos 95 anos na sua casa

Após vários meses em estado critico, Nelson Mandela, o mais emblemático resistente contra o Apartheid, morreu.
Não perca as grandes oportunidades do StockMarket

Está de regresso o Stockmarket, com os seus grandes descontos e oportunidades únicas para fazer um bom e sortido shopping.

 

Últimas notícias
RTP estreia "Os Filhos do Rock" retratando a década de 80
2013-12-08
Morreu Edouard Molinaro
2013-12-08
Júlio Resende encantou ao piano com temas de Amália Rodrigues
2013-12-08
 

 
© JORNAL HARDMUSICA. Todos os direitos reservados.
powered by Codezone