Início
Quarta, 22 Maio 2019
PESQUISAR
  CINEMA
  TEATRO
  MUSEUS
  LIVROS
  DISCOS
  OUTROS
  CONCERTOS
  TELEVISÃO
  TURISMO
  OUTROS
Teatro
Vanessa, a grande Judy Garland portuguesa

Foi curta mas construtiva a conversa tida pelo Hardmusica com Vanessa no final do programa da RTP 1 “Portugal no Coração”, decorrido na passada sexta-feira, dia 10 de Fevereiro. Depois de fazer estremecer o estúdio com a interpretação de uma das partes musicais da peça “Judy Garland – O Fim do Arco-Íris” da qual é protagonista, a artista portuguesa resistiu ao frio que se fazia sentir no exterior para nos falar sobre “um desafio quase impossível de concretizar” que a tem feito “aprender muito e trabalhar ainda mais”.


Tão doce nas palavras quanto na aparência, Vanessa conta que foi ainda quando estava a trabalhar na peça em exibição no Casino Estoril “O Melhor de La Féria” que recebeu o convite do próprio Filipe La Féria para vestir a pele da grande figura do teatro musical Judy Garland. “Houve um dia em que o Filipe me pediu para ir ao Politeama porque queria falar comigo. Pensei logo que já tinha feito asneira, mas afinal o propósito da reunião era bem distinto. Eu estava muito bem onde estava, mas quando ele me fez esta proposta eu aceitei de imediato, nem pensei duas vezes”, confessou entre risos.


Dizendo nutrir uma “grande paixão por projectos difíceis”, Vanessa conta que ainda assim houve momentos em que sentiu “medo de não conseguir” mas que nunca pensou em desistir. Um sentimento que se apresenta como natural perante o nível de dificuldade do papel. A jovem actriz e cantora reconhece que o processo de incorporação da personagem “foi duro” em função de todos os problemas a nível psicológico, emocional e com o álcool e drogas com que Judy Garland é representada neste musical.


Para quem já teve a oportunidade de ver esta nova obra-prima de La Féria desde logo constata que todo este esforço deu bons frutos. Uma peça muito marcada por constantes oscilações de humor, uma autêntica viagem entre picos de máxima euforia até ao terror da desesperante tristeza. Uma característica trabalhada com mestria por Vanessa que, com uma enorme humildade estampada no rosto, afirma que isso “não é treinado, apenas sai naturalmente”.

Ainda que perante todos os elogios à sua performance e a todo o protagonismo que esta personagem lhe confere, Vanessa recusa-se a dizer que este é o papel da sua carreira. “É sem dúvida o mais difícil, mas não posso fazer esse tipo de distinções porque eu abraço todos os papeis da mesma forma. Faço isto por amor e quando aceito qualquer tipo de trabalho é por ter vontade suficiente para o fazer”, reconheceu.


Mas não só da brilhante prestação de Vanessa se faz este musical. “Judy Garland – O Fim do Arco-Íris” é também uma homenagem a todos os artistas que depois de uma grande carreira acabam as suas vidas esquecidos e na miséria. Agora num tom muito mais sério, Vanessa confessa que “o mais difícil de aguentar nesta peça é o facto de conhecermos pessoas que já passaram por esta situação” uma vez que “esta é uma realidade que existe muito mais no meio artístico do que aquilo que parece”.


Para todos os que tenham vontade de apreciar o que de melhor o teatro musical tem para oferecer, “Judy Garland – O Fim do Arco-Íris” está em cena no Politeama quintas e sextas-feiras pelas 21:30, sábados às 17:00 e também às 21:30 e domingos numa sessão única pelas 17:00.

Quanto ao futuro, Vanessa reitera que a sua “ambição é apenas continuar” mas que “se puder representar, cantar e dançar em simultâneo, tanto melhor”. A este respeito, a jovem artista confessa ter recebido no passado uma proposta do estrangeiro para a área do teatro musical que recusou por obrigações profissionais, mas reafirma ainda assim que apesar de gostar de viver um dia de cada vez não faz “tenções de ficar em Portugal por muito mais tempo”.

O sucesso que de certo “Judy Garland – O Fim do Arco-Íris” terá, como já tem vindo a ter nestas duas semanas decorridas desde a estreia, até ao final da sua exibição ditará o rumo da carreira de Vanessa daqui para a frente. Se realmente optar pela internacionalização, será mais uma representante do talento nacional no estrangeiro e menos um grande valor a actuar nos palcos lusitanos. Estaremos cá para ver.








< Voltar

Registo

Actualidade
A nova introspecção de Jorge Molder

Foi na tarde de ontem, 05 de Dezembro, inaugurada “A Escala de Mohs”, a mais recente exposição fotográfica do artista plástico português.
Nelson Mandela morreu aos 95 anos na sua casa

Após vários meses em estado critico, Nelson Mandela, o mais emblemático resistente contra o Apartheid, morreu.
Não perca as grandes oportunidades do StockMarket

Está de regresso o Stockmarket, com os seus grandes descontos e oportunidades únicas para fazer um bom e sortido shopping.

 

Últimas notícias
RTP estreia "Os Filhos do Rock" retratando a década de 80
2013-12-08
Morreu Edouard Molinaro
2013-12-08
Júlio Resende encantou ao piano com temas de Amália Rodrigues
2013-12-08
 

 
© JORNAL HARDMUSICA. Todos os direitos reservados.
powered by Codezone